USO DE MELAÇO EM PÓ NA ALIMENTAÇÃO DE BOVINOS

(CONVÊNIO EMATER/MG - INDUMEL)*

Resumo   

O aproveitamento de alimentos grosseiros, durante o período da estação da seca, tem aumentado, seja pelo alto custo dos concentrados, seja pelo maior custo de volumosos mais nobres ( silagem de milho, feno de leguminosas etc.)

    O aproveitamento de alimentos grosseiros é feito através de tratamentos quimicos ( uréia, amônia líquida, etc. ) ou por adição de substancias palatabilizantes ( melaço).
Por outro lado, 61,8% de produtores de leite do Estado de Minas Gerais são responsáveis por 20,8% da produção total. Estes mesmos produtores não fazem nenhum tipo de conservação de forragem para a época da seca. Simplesmente, usam uma variedade do capim-elefante, ( Pennisetum purpureum Schum CV(s), napier, mercker, mineiro, cameroun, vruckvona etc.) na forma picada, às vezes associada à cana de açúcar, como fonte de energia, proteína e minerais para as vacas em lactação. Considerando o baixo consumo deste volumoso, seja pela baixa apetência, seja pela menor digestibilidade, tem-se como resultado final uma queda brusca na produtividade do rebanho, durante o período da seca.

    Procurando encontrar uma solução para amenizar a queda verificada na produtividade deste tipo de rebanho leiteiro, durante a época da seca, foi proposto um trabalho com o Suplemento energético Indumel.

Trabalho completo

emater_menor.jpg (26994 bytes)

Hebert Vilela*

Introdução

 

O aproveitamento de alimentos grosseios durante o período da estação de seca tem aumentado ultimamente, seja pelo alto custo dos concentrados, seja pelo maior custo de volumoso mais nobre (silagem de milho, feno de leguminosas, etc.).

O aproveitamento de alimentos grosseiros é feito através de tratamentos químicos (uréia, amônia líquida, etc) ou por adição de substãncias palatablizantes (melaço).

Por outro lado, 61,8% de produtores de leite do estdo de Minas Gerais são responsáveis por 20,8% da produção total (1995)**

Estes mesmo produtores não fazem nenhum tipo de conservação de forragem para a ápoca seca. Simplesmente usam uma variedade do capim-elefante (Pennisetum purpureum Schum Cv(s), Napier, Mercker, mineiro, cameroun, vruckvona, etc.) na forma picada, às vezes associada à cana-de-açúcar, como fonte de energia, proteína e minerais para as vacas em lactação. Considerando o baixo consumo deste volumoso, seja pela baixa apetecibilidade, seja pela menor digestibilidade, tem-se como resultado uma queda brusca na produtividade do rebanho, durante o período de seca.

Portanto, procurando encontrar uma solução para amenizar a queda verificada na produtividade deste tipo de rebanho leiteiro, durante a época de seca, foi proposto este trabalho em parcerias com a INDUMEL. Foram conduzidas com este objetivo, dezoito unidades demonstrativas no estado.

Material e métodos

1 - Distribuição das Unidades no Estado - O número de unidades demonstrativas foram distribuidas, segundo a divisão Administrativa da EMATER-MG, da seguinte forma:

a) Belo Horizonte - Sete Lagoas (02), Curvelo (01) e Divinópolis (01)

b) Lavras - Lavras (01), Alfenas (02), e Pouso Alegre (02)

c) Montes Claros - Francisco Sá (01)

d) Governador Valadares - Governador Valadares (02), Guanhães (01), Conselheiro Pena (01) e Mantena (01)

e) Viçosa - Descoberto (01)

f) Patos de Minas - Patos de Minas (01) e Veríssimo (01)

2 - Tratamentos

Todos os tratamentos consistiram em adição do melaço em pó em quantidades que variam segundo a categoria animal, sobre o volumoso em uso pelos produtores de leite (seja para vacas em lactação ou novilhas em recria) ou produtores de bois confinados (confinamento)

Este tratamento com melaço em pó foi sempre comparado com a alimentação normalmente utilizadas pelos produtores rurais. Portanto, esquematicamente os tratamentos ficarm assim contituídos em relação aos lotes com melaço.

Tipo de exploração Categoria Melaço em Pó
    (Kg/animal/dia)
Gado de leite Novilhas 0,100
Gado de leite Novilhas 0,200
Gado de leite Vacas 0,100
Gado de leite Vacas 0,200
Gado de corte

confinamento

Novilhos 0,200

3 - Animais

O número de animais variou entra as categorias e o tipo de exploração. A categoria bezerras nas fase de recria (novilhas) variou de 06 a 10 animais por tratamento, ou seja, 12 a 20 animais por unidades demonstrativas. Contudo dentro de uma unidade não havia diferença entre os pesos iniciais, entre os lotes sem melaço e com melaço.

Os pesos das vacas de leite variam entre 450 a 500 Kg. Os lotes com melaço e sem melaço formados com animais com produção média diária de 10 a 13 Kg por animal.

Os pesos vivos iniciais dos novilhos em confinamento foram em média 406 Kg, fase acabamento.

As unidades demonstrtivas tiveram inicio na segunda quinzena de agosto e um período de avaliação de 12 semanas.

As avaliações de peso vivos foram feitas a intervalo de 28 dias, mediante peasgens individuais dos animais. Em relação as gado de leite, as pesagens do leite eram feitas após cada ordenha em balanças próprias

4 - Resultados

Os resultados das análises bromatológicas do melaço, dos volumosos usados e do desempennho dos animais são apresentados nas quadros de 1 a 9. Em função da categoria  dos animais e dos tratamentos (tipo de volumoso). Uma parte do resultado de desempenho dos animais foi ajustada a um período de doze semanas, para efeito de análises

Quadro 1 - Análise bromatológica do melaço em pó - base matéria natural.

M.S(%)

P.B.(%)

N.D.T(%)

Ca(%)

P(%)

98,05

3,00

79,80

7,00

0,14

Quadro 2 - Análise bromatológica  dos volumoso usados - base material natual

Tipo volumoso M.S(%) P.B(%) N.D.T(%) Ca(%) P(%)
Cana 23,20 1,00 14,10 0,13 0,04
Capim elefante

época seca

29,60 2,60 13,50 0,13 0,03
Feno de brachiaria bizantha

sem semente

90,65 3,29 39,20 0,43 0,28
Silagem de sorgo 32,30 2,50 18,00 0,14 0,04
Silagem de milho 27,40 2,20 18,10 0,10 0,06

Quadro 3  - Pesos vivos médios incial e final de novilhas em fase de recria, ganho em peso vivo diário e consumo de cana-de-açúcar (base natural) e de melaço em pó.

Consumo(Kg/cab.dia) Inicial Final Melaço Cana
Peso vivo(Kg) lote (sem melaço) 154 164 a - 16,60
Peso vivo lote (com melaço) 154 164 a 0,100 17,45
Ganho peso vivo(Kg/animal/dia)        
Lote (com melaço)

Lote (sem melaço)

 

-

-

 

0,119

0,190

 

-

-

 

-

-

(a = b - 0,05)

       

Quadro 4 - Pesos vivos médios inicial e final de novilhas em fase de recria, ganho em peso vivo médio diário e consumo de capim-elefante (base natural) de melaço em pó e de milho grão.

Consumo (Kg/cab./dia) Inicial Final Melaço Capim Cana
Peso vivo(Kg) lote (sem melaço) 170 187 b - 15,07 1,00
Peso vivo(Kg) lote (com melaço) 170 214 a 0,100 16,21 1,00
Ganho peso vivo(Kg/animal/dia)

Lote (sem melaço)

Lote (com melaço)

 

 

-

-

 

 

0,202

0,524

 

 

-

-

 

 

-

-

 

 

-

-

( a > b - 0,05)

Quadro 5 - Pesos vivos médios inicial e final de movilhas em fase de recria, ganho de peso vivo médio e de consumo de silagem de sorgo e de melaço em pó.

Consumo (Kg/cab/dia) Inicial Final Silagem Melaço
Lote (sem melaço) 210 231 b 17,06 -
Lote (com melaço) 210 245 a 18,00 0,100
Ganho peso (Kg/animal/dia)

Lote (sem melaço)

Lote (com melaço)

 

-

-

 

0,250

0,417

 

-

-

 

-

-

(a > b - 0,05)

Quadro 6 - Pesos vivos médios inicial e final de novilhas em fase de recria, ganho em peso vivo médio diário e consumo de silagem de milho, de melaço em pó e farelo de soja.

Consumo(Kg/cab/dia) Inicial Final Silagem Melaço F.soja
Lote (sem melaço) 295 35 b 16,05 - 2,00
Lote (com melaço) 295 358 a 16,53 0,200 2,00
Ganho peso vivo(Kg/animal/dia)

Lote (sem melaço)

Lote (com melaço)

 

-

-

 

0,655

0,750

 

-

-

 

-

-

 

-

-

(a > b - 0,05)

Quadro 7 - Pesos vivos médios inicial e final de novilhos em fase de acabamento (confinamento), ganho em peso vivo médio diário e consumo de feno de capim Brachiaria brizantha Cv. Marandu, de melaço em pó e fubá (3 Kg) e farelo de soja (1Kg).

Consumo(Kg/cab/dia) Inicial Final Feno Melaço F.soja + Fubá
Peso vivo
Lote (sem melaço) 406 461 b 6,00 - 4,00
Lote (com melaço) 406 473 a 8,00 0,200 4,00
Ganho peso vivo (Kg/animal/dia)

Lote (sem melaço)

Lote (com melaço)

 

-

-

 

0,655

0,798

 

-

-

 

-

-

 

-

-

(a > b - 0,05)

Quadro 8  - Produção de leite (Kg/vaca/dia) de vacas mestiças (1/2 HZ), recebendo capim-elefante picado, na metéria matural, de melaço em pó e de concentrado.

Consumo(Kg/cab/dia) Inicial Final Silagem Melaço Concentrado

Peso vivo

         

Lote (sem melaço)

475 470 17,75 b - 1:3

Lote (com melaço)

475 480 24,90 a 0,200 1:3

Ganho peso vivo (Kg/animal/dia)

Lote (sem melaço)

Lote (com melaço)

 

10,00

10,00

 

7,50 b

10,02 a

 

-

-

 

-

-

 

-

-

(a > b - 0,05)

* Concentrado - base de fornecimento de 1Kg de concentrado para três litro de leite produzidos (60% milho, 37% farelo de soja e 3% de mistura mineral completa).

Quadro 9 - Produção de leite (Kg/vaca/dia) de vacas mestiças (3/4 HZ) recebendo silagem de milho com e sem melaço e consumo de silagem na matéria natural, de melaço em pó e concentrado.

Consumo (Kg/animal/dia) Inicial Final Silagem Melaço Concentrado*

Peso vivo

Lote (sem melaço) 501 505 20,00 - 1:3
Lote (com melaço) 502 508 26,10 0,200 1:3
Ganho peso vivo(Kg/animal/dia)

Lote (sem melaço)

Lote (com melaço)

 

13,75

13,70

 

14,01 b

16,02 a

 

-

-

 

-

-

 

-

-

(a > b - 0,05)

*Concentrado - Mesmas condições do trabalho anterior.

Discussão

Os resultados obtidos das análises bromatológicas dos volumosos usados que são compatíveis com aqueles resultados encontrados nas tabelas para cálculo de rações(1981)***.

Os resultados obtidos com análise do melaço em pó também estão de acordo com aqueles apontados pelos padrões oficiais de matérias primas destinadas à alimentação animal (1989)****.

Portanto, todos os alimentos usados nas unidades demonstrativas estão dentro da normalidade,

Verifica-se que os resultados de ganho em peso de novilhas submetidas ao tratamento com cana-de-açúcar (Quadro 3) são muito baixos, quando comparados com dados da literatura. O resultado de ganho de peso obtido por novilhas que receberam o volumoso capim-elefante picado(Quadro 4) foi também baixo no tratameno sem melaço e razoável no tratamento com melaço.

Estes resultados mostram que a cana-de-açúcar, mesmo com melaço em pó, não proporcionou ganhos satisfatórios. Verifica-se que o volumoso capim-elefante, quando suplementado com melaço em pó, apresentou melhor desmpenho dos animais (Quadro 4) do que os anteriores, com resultados desejáveis (0,500 Kg/cabeça/dia - média anual).

O resultado obtido com novilhas suplementadas com o volumoso silagem de sorgo foi melhor do que os anteriores sem nenhuma suplementação de concentrdos (Quadro 5). Observa-se neste caso, uma melhoria de desempenho dos animais. Estes melhores desempenhos em relação àqueles obtidos com cana-de-açúcar e capim-elefante sem melaço em pó, revelam que a qualidade do volumoso é muito importante para esta fase de exploração na pecuária de leite (recria).

Fazendo uma síntese dos resultados alcançados com novilhas na fase de recria, pode-se concluir que os voumosos cana-de-açúcar mesmo suplementado com melaço em pó e o capim-elefante sem suplemento com melaço em pó, não são adequados para esta fase no sistema de exploração de gado de leite. Portanto, o volumoso silagem é recomendado à fase recria, mas sugere-se uma suplementação com concentrados.

Os resultados alcançados com novilhs na fase de acabamento (confinamento), utilizando um volumoso grosseiro (feno de capim Brachiaria brizantha, após florescimento), foram satisfatórios, (Quadro 7) em relação aos dados correntes na literatura. Os ganhos diários obtidos com melaço em pó foram maiores do que aqueles sem melaço (0,798 e 0,656 Kg/dia).

Em relação à produção de leite, também obtiveram maiores produções de leite, toda vez que se usou melaço em pó. Estes trabalhos (Quadro 8 e 9) evidenciam o efeito palatabilizante do melaço em pó, principalmente quando o volumoso usado foi o capim-elefante é uma situação que pode se assemelhar com a exploração leiteira em Minas Gerais.

Em relação aos resultaodos financeiros (Quadro 10), pode-se ressaltar que a fase é de certa forma, onerosa para o produtor. Observa-se que todos os tratamentos usados, desde a cana-de-açúcar até a silagem de milho suplementada com concentrado, requerem  investimentos variáveis. Enquanto nos volumosos com cana-de-açúcar e capim-elefante. os investimentos nos períodos forem menors (Quadro 10) e estes investimentos forem maiores quando se usou silagem. Portanto, para se obter melhores desmpenhos dos animais, há necessidade de maiorinvestimento neste segmento. Por outro lado, dentro desta fase recria, independentemente do volumoso usado, o uso do melaço em pó, reduziu os investimentos em todos os casos.

Em relação à fase de acabamento (confinamento), verifica-se que foi uma atividade que apresentou resultados financeiros favoráveis a este tipo de exploração (Quadro 10), havendo um retorno que variou de R$54,68 a R$67,05 por animal, no período estudado (12 semanas), respectivamente, tratamento sem e com 0,200 Kg de melaço em pó.

O resultado referente à produção de leite foi favorável financeiramente, quando se considerou os alimentos usados como uma fator de produção. Interessante de se notar nestes trabalhos é a evidência da preponderância do retorno financeiro neste segmento, produção de leite, em relação aos demais (recria e acabamento ou engorda). Pode-se notar também na produção de leite o efeito favorável do melaço em pó, independente do volumoso usado (capim-elefante oiu silagem).

Conclusões

- O volumoso cana-de-açúcar picada não é recomendável à fase recria no sistema exploração leiteira, sem suplementação com concentrado.

- O volumoso capim-elefante pode ser usados no fase recria, desde que devidamente suplementados com melaço (0,100 Kg) e milho (Kg/cabeça/dia).

- O volumoso silagem de sorgo sem suplementação de melaço não apresenta resultados de desempenho em peso vivo satisfatórios.

- A suplementação do volumoso feno de Brachiaria (volumoso grosseiro) e concentrados, na quantidade de 4 Kg (farelo de soja 40% e milho 60% e 0,200 Kg de melaço em pó por cabeça/dia) mostrou resultados satisfatórios quanto ao ganho de peso e em retorno financeiro.

- Os resultados financeiros apurados no ítme alimentação na fase recria de um sistema de exploração leiteira mostraram ser de investimentos nesta atividade.

- Quanto à produção de leite, não há dúvida em afirmar que tende a ser a melhor atividade pecuária, no momento conjuntural.

- Em rebanhos com menor produtividade ( < 10 litro por cabeça/dia) pode-se obter resultados satisfatórios com capim-elefante acrescido do concentrado para 3 litros de leite produzidos e melaço em pó (0,200 Kg por cabeça/dia), observando-se o retorno financeiro.

- Os melhores resultados de desempenho dos animais e de retorno financeiro, na produção de leite, from aqueles obtidos com capim-elefante e com silagem de milho, principalmente quando suplementados com melaço em pó.

Belo Horizonte, 19 de janeiro de 1996.

Trabalho desenvolviso pela EMATER-MG

Bibliografia

* Engº Agrônomo M. Sc e D. Sc. Coordenador técnico

**(1995) - Cenário Futuro do Negócio Agrícola de Minas Gerais. V.5, 32p. Belo Horizonte - MG.

***1981, CAMPOS, J. Tabelas para cálculo de Rações. 8ª Ed. Viçosa(MG) U.F.V 64 p. 1981

****1989 VILELA, H. Padrões Oficiais de Matérias Primas destinadas à Alimentação Anima. Brasilia, M.A.R.A   S.A.D.A   S.F.A, 40 p. 1989