USO DE SUPLEMENTO ENERGÉTICO INDUMEL EM

RAÇÃO PARA FRANGOS DE CORTE

 

                       Universidade Federal de Viçosa

                           Centro de Ciências Agrárias

                          Departamento de Zootecnia

Luiz Fernando Teixeira Albino1, Horácio Santiago Rostagno1, José  Geraldo de Vargas Júnior2, Marcelo Aparecido da Silva3, Ari Antônio Fischer Júnior2

 

INTRODUÇÃO

A avicultura industrial brasileira é um dos segmentos da agropecuária que mais se desenvolveu nos últimos anos, munida da mais alta tecnologia e sofisticado manejo.

Assim, as aves com alto potencial genético  e elevada produtividade tornam-se mais exigentes quanto às condições de manejo, alimentação e conforto ambiental.

Na alimentação, é importante o fornecimento de rações balanceadas, isto é, que atendam as exigências nutricionais das aves, nas diferentes fases de criação e, como a alimentação representa cerca de 75% do custo de produção. O uso de alimentos alternativos, ao milho e farelo de soja, em rações tem sido uma preocupação constantes dos nutricionistas, uma vez que estes estão sempre buscando reduzir o custo final de produção da ave, tornando-a mais competitiva a nível de mercado.

O suplemento energético Indumel quando incorporado a ração, é um alimento que possui a característica de melhorar a palatabilidade da ração, além de apresentar um valor energético relativamente alto, em torno de 2,153 kcal de Energia Metabolizável/kg (ROSTAGNO et al. 1983) e boa disponibilidade no mercado, tornando-o uma excelente alternativa de alimento energético em rações de frangos de corte.

Este trabalho busca a viabilidade de utilização do suplemento energético Indumel em rações para frango de corte, tornando este alimento uma opção de inclusão em rações. Assim, foram conduzidos dois experimentos para estabelecer o valor de energia metabolizável, por meio de ensaio biológico, utilizando-se galos Leghorn (experimento I) e, avaliar o desempenho de frango de corte, submetidos a diferentes níveis de inclusão de suplemento energético Indumel (experimento II), bem como  a viabilidade econômica.

Experimento I: Determinação do valor energético do suplemento Indumel , através de ensaio biológico com galos adultos, usando o método de alimentação precisa. Energia Metabolizável Verdadeira (EMV).

Foram utilizados 18 galos, Leghorn, alojados em gaiolas de arame e mantidos em jejum por um período de 36 horas, para tornar vazio seus tratos digestivos. Em seguida, foram forçados a consumir uma quantidade de 30 gramas de alimento introduzido para dentro do papo através de um funil colocado via esôfago. O suplemento energético Indumel foi misturado ao milho, na proporção de 1:1, para facilitar a alimentação forçada. Foi utilizados três tratamentos (suplemento energético Indumel + milho; milho e jejum), seis repetições e um galo por unidade experimental.

Após alimentados, os galos retornaram para as gaiolas e um grupo de aves foi mantido em jejum para determinar as perdas endógenas e metabólicas. As excretas foram coletadas por um período de 48 horas. O material recolhido foi pesado e mais tarde colocado em estufa ventilada para se determinar os teores de matéria seca e posteriormente analisados para energia bruta e nitrogênio.

Conhecendo-se as quantidades de energia bruta ingerida, a energia bruta excretada (fezes + urina), e a energia endógena (metabólica + fecal) determinou-se o valor de energia metabolizável do suplemento energético Indumel.

Resultado: O valor de energia metabolizável do suplemento energético Indumel é de 2.315 kcal/kg.

Experimento II: Utilização do suplemento energético Indumel em rações para frangos de corte.

Material e métodos: O experimento foi realizado no período de 23/05/96 a 04/07/96 no Setor de Avicultura do Departamento de Zootecnia da Universidade Federal de Viçosa – Viçosa / MG. Foram utilizados 540 pintos de corte machos, Hubbard, de um a 42 dias de idade, alojados em um balcão convencional para frangos de corte, subdivididos em boxes.

A água e a ração foram fornecidas à vontade, em bebedouros pendulares e comedouros tubulares, respectivamente, e diariamente foram mensuradas as temperaturas máxima e mínima do galpão (Quadro 1).

Os animais foram submetidos a rações, formuladas com diferentes níveis  de inclusão de suplemento energético Indumel para atenderem as exigências nutricionais das aves, tendo essas 23% de PB e 3000 kcal EM/kg de ração de 20% de PB e 3100 kcal EM/kg, respectivamente para o período inicial (1 a 21 dias de idade e final (22 a 42 dias de idade). S níveis de inclusão de suplemento energético Indumel nas rações foram de 0,0; 1,5 ; 3,0; 60; 12,0% e, são apresentadas  no Quadro 2 e Quadro 3, respectivamente para o período inicial e final.

Quadro 1. Temperatura (ºC) no interior do galpão durante o período experimental.

Temperatura do ar (ºC) Idade das aves (em dias)
1-7 8-14 15-21 22-28 29-35 36-42
Máxima média 23,68 ± 3,17 26,42 ± 1,99 25,92 ± 2,01 25,69 ± 1,85 25,51 ± 1,86 22,66 ± 2,41
Mínima média 18,25 ± 3,99 17,92 ± 2,46 19,73 ± 2,89 17,88 ± 2,25 17,46 ± 2,59 16,08 ± 2,12
Máxima absoluta 29 29 29 29 28 27
Mínima absoluta 12 13 16 14 14 12

O delineamento experimental utilizado foi o em blocos casualizado, com cinco tratamentos, seis repetições e 18 aves por unidade experimental. As análises de variância foram realizadas, de acordo com o seguinte modelo estatístico:

Yijk = µ +Bi + Tj + eijk,

Yijk = produção observada na unidade experimental k, no tratamento j; no bloco i

m = média geral;

Bi =  efeito n bloco i;

Tj = efeito no tratamento j;

eijk = erro aleatório associado a cada observação.

Quadro 2 – Composição percentual das rações na fase inicial

Ingrediente Rações
0% 1,5% 3% 6% 12%
Milho 52,324 50,679 49,033 45,732 39,158
Farelo de Soja 36,628 36,728 36,826 37,034 37,422
Óleo 3,036 3,242 3,449 3,863 4,689
Supl. energ. INDUMEL 0,000 1,500 3,000 6,000 12,000
Calcário 2,014 1,762 1,511 1,007 0,000
Proteinoso 2,858 2,952 3,045 3,233 3,608
Fosfato bicalcário 2,258 2,259 2,260 2,262 2,265
DL-Metionina(99%) 0,183 0,184 0,186 0,190 0,198
Sal comum 0,319 0,314 0,310 0,299 0,280
BHT 0,010 0,010 0,010 0,010 0,010
Mistura Mineral¹ 0,050 0,050 0,050 0,050 0,050
Mistura Vitamínica² 0,100 0,100 0,100 0,100 0,100
Anticoccidiano³ 0,100 0,100 0,100 0,100 0,100
Bacitrina de Zinco 0,020 0,020 0,020 0,020 0,020
Cloreto de colina(60%) 0,100 0,100 0,100 0,100 0,100

Total(%)

100 100 100 100 100
Composição calculada
Proteína Bruta(%) 23 23 23 23 23
Energia Metabol(Kcal/Kg) 3000 3000 3000 3000 3000
Cálcio(%) 1,400 1,400 1,400 1,400 1,400
P disponível(%) 0,501 0,501 0,501 0,501 0,501
Metionina 0,552 0,553 0,555 0,557 0,562
Metionina + Cistina(%) 0,930 0,930 0,930 0,930 0,930
Lisina (%) 1,200 1,200 1,200 1,200 1,200
Treonina(%) 0,889 0,887 0,885 0,882 0,874
Triptófano(%) 0,295 0,295 0,294 0,294 0,292

1/ - Roligomix, aves, (Roche) – ferro, 80g, cobre, 10g, cobalto, 2g, manganês, 60g, zinco, 5g, iodo, 1g, e excipiente qsq – 500g.

2/ - Rovimix, aves inicial (Roche) – vit. A – 15.000.000 UI, vit. D3 – vit. E – 15.000 UI, vit. B1 – 2,0 g, vit. B2 – 4,0g, vit. B6 – 3,0g, vit. B12 – 0,015g, ácido nicotínico – 25g, ácido pantotênico – 10g, vit. K3 – 3,0g, ácido fólico – 1,0g, bacitracina de zinco – 10 g, selênio – 250 mg, antioxidante BHT – 10g, e excipiente qsq – 1.000g.

3/ - Coxistac (Pfizer) – Salinomicina 6%

Quadro 3 – Composição percentual das rações na fase final.

Ingrediente Rações
0% 1,5% 3% 6% 12%
Milho 59,891 58,297 56,651 53,363 46,784
Farelo de Soja 30,334 30,384 30,483 30,682 31,078
Óleo 3,373 3,578 3,785 4,197 5,023
Supl. Energ. INDUMEL 0,000 1,500 3,000 6,000 12,000
Clacário 2,019 1,766 1,514 1,009 0,000
Proteinoso 1,470 1,564 1,657 1,844 2,219
Fosofato bicalcário 1,918 1,919 1,920 1,921 1,924
DL-metionina(99%) 0,217 0,219 0,221 0,225 0,233
Sal comum 0,338 0,333 0,329 0,319 0,299
BHT 0,010 0,010 0,010 0,010 0,010
Mistura Mineral¹ 0,050 0,050 0,050 0,050 0,050
Mistura Vitamínica² 0,100 0,100 0,100 0,100 0,100
Anticoccidiano³ 0,100 0,100 0,100 0,100 0,100
Bacitracina de Zinco 0,020 0,020 0,020 0,020 0,020
Cloreto de colina 0,060 0,060 0,060 0,060 0,060
Total (%) 100 100 100 100 100

Composição calculada

Proteína Bruta(%) 20 20 20 20 20
Energ. Metabol.(Kcal/Kg) 3100 3100 3100 3100 3100
Cálcio(%) 1,329 1,329 1,329 1,329 1,329
P disponível(%) 0,465 0,465 0,465 0,465 0,465
Metionina(%) 0,537 0,539 0,540 0,542 0,547
Metionina + Cistina(%) 0,870 0,870 0,870 0,870 0,870
Lisina(%) 1,100 1,100 1,100 1,100 1,100
Treonina(%) 0,773 0,771 0,769 0,766 0,758
Triptófano(%) 0,255 0,254 0,254 0,253 0,252

1/ - Roligomix, aves, (Roche) – ferro, 80g, cobre, 10g, cobalto, 2g, manganês, 60g, zinco, 5g, iodo, 1g, e excipiente qsq – 500g.

2/ - Rovimix, aves inicial (Roche) – vit. A – 15.000.000 UI, vit. D3 – vit. E – 15.000 UI, vit. B1 – 2,0 g, vit. B2 – 4,0g, vit. B6 – 3,0g, vit. B12 – 0,015g, ácido nicotínico – 25g, ácido pantotênico – 10g, vit. K3 – 3,0g, ácido fólico – 1,0g, bacitracina de zinco – 10 g, selênio – 250 mg, antioxidante BHT – 10g, e excipiente qsq – 1.000g.

3/ - Coxistac (Pfizer) – Salinomicina 6%

As análises estatísticas das características foram realizadas, de acordo com o programa Sistema para Análises Estatísticas e Genética (SAEG), desenvolvido por EUCLYDES (1983). Foi utilizado análise de regressão e, para comparações de média, o teste de NEWMAN-KEUKS ao nível de 5% de probabilidade.

Os parâmetros utilizados para análise de desempenho foram divididos em fases de vida das aves e, são os seguintes: Ganho de peso, consumo de ração, conversão alimentar e mortalidade. Também foi realizada uma análise econômica por meio da qual se determinou o lucro parcial, calculado em função do custo   total da ração consumida e do valor da carne produzida.

Os parâmetros de desempenho das aves (conversão alimentar e ganho de peso), juntamente com os resultados de sobrevivência das aves no período de 1 a 42 dias, foram utilizados no cálculo do fator de produção, por meio da fórmula:

                                             GP(kg)  x  Viabilidade (%)

                                   FP = ----------------------------------- x 100

                                                       Idade  x  CA

A análise econômica, é fator determinante em qualquer tipo de exploração, e por isso os custos fixos e variáveis, devem ser considerados, entretanto, somente os custos variáveis foram utilizados para a avaliação econômica, uma vez que os fixos foram os mesmos para todos os tratamentos e, é variável em cada local de exploração. Com os dados de consumo médios de ração inicial, ração final e peso médio final das aves, combinou-se vários preços do kg de suplemento energético INDUMELÒ, com preços fixos dos outros ingredientes da ração, sendo estes relacionados com o kg de frango vivo, a partir dos quais foi realizado o cálculo da margem bruta relativa (MBR) de cada tratamento (trat) em relação ao grupo que recebeu ração sem a inclusão de suplemento energético INDUMELÒ (cont).

                                                  MBM trat

                                                     MBR = --------------

                                                                MBM cont

                                            PV X F$ - (CRi X R$i + CRf X R$f)

                              MBR = --------------------------------------------- , onde:

                                             PV X F$ - (CRi X R$i + CRf X R$f)

MBR = Margem bruta relativa

MBM = Margem bruta média

PV = Peso vivo médio (kg)

F$ = Preço médio do frango vivo (R$/kg)

CRi = Consumo de ração fase inicial (1-21 dias de idade)

CRf = Consumo de ração fase final (22 – 42 dias de idade)

R$i = Preço/Kg ração fase inicial

R$f = Preço/Kg ração fase final

RESULTADOS E DISCUSSÃO:

Desempenho de pintos de corte no período de um a 21 dias de idade

Os resultados de desempenho de pintos de corte no período inicial, podem ser observados no Quadro 4.

Como pode-se observar, a medida que foi sendo acrescentado o suplemento energético INDUMEL na ração, houve um maior peso vivo aos 21 dias, sendo observado um efeito linear (P£0,01), este efeito linear também pode ser observado  para ganho de peso e conversão alimentar. Entretanto, não houve efeito significativo para consumo de ração.

É notado que a linearidade do peso vivo em função do nível de suplemento energético INDUMEL na ração, refletiu em um maior ganho de peso, já que as aves no início do tratamento (um dia de idade), tinham pesos similares. Entretanto, esse maior ganho de peso não mostrou diferenças significativas (P£0,05), mostrando que o suplemento energético INDUMEL não estimulou um aumento no consumo, mas um melhor ganho de peso. Como as aves alimentadas com um maior nível de suplemento energético Indumel na ração foi o de melhorar a conversão alimentar, que é obtida pela relação entre o consumo de ração e o ganho de peso.

Desempenho de frangos de corte no período de 22 a 42 dias de idade

 Os resultados de desempenho obtidos no período de 22 a 42 dias de idade, podem ser observados no Quadro 5.

Nota-se que não houve diferença significativa (P£0,05) para consumo de ração, entretanto observa-se em efeito linear e quadrático, respectivamente para ganho de peso e conversão alimentar. Apesar do ganho de peso ter apresentado um efeito linear, verifica-se que os que os níveis  de 1,5 e 3,0%, proporcionaram um ganho de peso numericamente superior ao tratamento testemunha ( 0% de suplemento energético INDUMEL ), e que somente a partir do nível 6% de suplemento energético INDUMEL é que houve redução do ganho de peso. Entretanto, é observada ainda que o ganho de peso nos níveis de 1,5 e 3,0%, foram quase que suficientes para que tivesse um efeito quadrático, podendo isso ser comprovado quando se analisa o consumo de ração, que não mostrou efeito significativo, mas quando se analisa consumo de ração, que não mostrou efeito significativo, mas quando calculado a conversão alimentar, o efeito quadrático aparece justamente nestes dois níveis de inclusão suplemento energético INDUMEL  na ração (1,5 e 3%).

Quadro 4 – Efeito de diferentes níveis de inclusão de suplemento energético INDUMEL na ração, sobre o desempenho de pintos  de corte machos (1 – 21 dias de idade)

% suplem. energ. INDUMEL na ração Peso vivo GP(g) CR(g) CA(g/g)
0,0 729,58 681,81 1168,10 1,716
1,5 731,58 683,57 1151,73 1,685
3,0 753,66 705,98 1156,08 1,638
6,0 768,47 720,70 1194,12 1,658
12 772,56 724,59 1154,84 1,593
coef. variação(%) 3,598 3,840 2,623 2,947
Probabilidade **L **L ns **L

**L – Efeito linear (P£0,01) e ns (não significativo).

Quadro 5 – Efeito de diferentes níveis de inclusão de suplemento energético INDUMEL na ração, sobre o desempenho de frango de corte machos (22 – 42 dias de idade).

% suplem. energ. INDUMEL na ração GP(g) CR(g) CA(g/g)
0,0 1558,04 3388,09 2,181
1,5 1577,66 3329,74 2,166
3,0 1560,32 3338,89 2,142
6,0 1488,66 3253,53 2,193
12 1401,98 3204,59 2,288
Coef. variação (%) 5,96 3,72 3,506
Probabilidade **L ns **Q

**L – Efeito linear (P£0,01), **Q – Efeito quadrático (P£0,01) e ns (não significativo).

Desempenho de frangos de corte no período de um a 42 dias de idade

Os resultados obtidos no período de um a 42 dias de idade (período total), podem ser observados no Quadro 6.

Apesar de não ter ocorrido diferença significativa para peso vivo (42 dias) e características de desempenho é observada que os melhores resultados mostraram-se entre os níveis de 1,5 e 3%. Isto é confirmado quando analisa-se peso vivo e consequentemente ganho de peso, que apresentaram valores maiores, enquanto que o consumo de ração apresentou-se menor, resultando em uma melhor conversão alimentar.

É observado também que para consumo de ração, os resultados variam entre os tratamentos, o que pode ser visualizado, quando analisa-se o nível de 12%, que foi o de maior inclusão de suplemento energético INDUMEL e o que obteve o menor consumo, sendo o de 0% de inclusão, com efeito oposto, entretanto, os níveis intermediários (1,5; 3 e 6%), mostraram  efeitos diversos, mas com um consumo muito próximos entre si.

Quadro 6 – Efeito de diferentes níveis de inclusão de suplemento energético INDUMEL  na ração, sobre o desempenho e viabilidade de pintos de corte machos (1 - 42 dias de idade).

% suplem. energ. INDUMEL na ração Peso vivo GP(g) CR(g) CA(g/g) Viabilidade
0,0 2287,62 2239,36 4556,20 2,308 95,37
1,5 2308,91 2261,23 4481,48 1,984 97,22
3,0 2313,98 2260,30 4494,97 1,84 98,15
6,0 2257,13 2209,36 4447,64 2,015 97,22
12 2174,54 2126,77 4359,43 2,051 97,22
Coef. variação(%) 4,39 4,49 3,02 2,452 ---
Probabilidade N.S. N.S. N.S. N.S. ---

N.S. – Não significativo

Avaliação do fator de produção e análise econômica

O fator de produção é uma valor adimensional que engloba todas as carcterísticas  de desempenho e viabilidade das aves no período total de criação, sendo que quanto maior for este valor, melhor será o resultado global da produção. Neste sentido, verifica-se qua as aves submetidas a ração com nível 3% de suplemento enrgético INDUMEL, apresentaram valor de fator de produção superior aos obtidos com os demais tratamentos; Observa-se que o nível de 1,5%  foi o que apresentou o segundo melhor fator de produção e de 6% o terceiro(Quadro 7)

Quadro 7 - Valores do fator de produção em função dos diferentes níveis de suplemento energético INDUMEL em ração para frangos de corte.

% supl. energ. INDUMEL na ração Fator de produção
0,0 249,5
1,5 263,8
3,0 266,9
6,0 253,8
12 240,0

CONSIDERAÇÕES GERAIS

Durante a condução do experimento (serviço de campo), foi observado que nos níveis mais altos de inclusão de suplemento energético INDUMEL (6,0 e 12,0%), houve alguns problemas de cama, em virtude do aparecimento de fezes mais líquidas nas aves que receberam alto nível do suplemento INDUMEL provavelmente em conseqüência do aumento no consumo de água. No período de crescimento, (22 a 42 dias de idade), as camas, principalmente do tratamento 5 (12% de suplemento energético INDUMEL), foram trocadas parcialmente ou totalmente 3 vezes, sendo que no tratamento 4 (6% de suplemento energético INDUMEL), as camas foram substituídas até 2 vezes.

Foi observado que nos comedouros tubulares, a ração, com 12,0% de suplemento energético INDUMEL, aderia-se facilmente ao redor do comedouro. Entretanto, através de análises laboratoriais de matéria seca das rações, não foi observado um aumento do nível de suplemento energético INDUMEL na ração, no início de cada fase e no final.

CONCLUSÃO

Com base nos resultados encontrados para desempenho dos frangos e através da análise econômica, os melhores níveis de utilização do suplemento energético INDUMEL na ração, foram de 1,5 e 3,0% de suplemento energético INDUMEL na ração.

Estes resultados demonstram que o suplemento energético INDUMEL é um alimento que possui a característica de melhorar a eficiência alimentar, sendo então passível de ser utilizado em rações de frangos de corte, tornando-se uma fonte alternativa de alimento energético.